Se a teoria vigente fracassou…partimos pra outra.

Charles-Darwin

 

Joseph LeConte, que foi professor de Geologia e História Natural na Universidade da Califórnia e presidente da Sociedade de Geologia Americana, fornece um insight do que a maioria dos cientistas pensa sobre a evolução, no seu livro de 1888, “Evolução”.

Ao analisar o registro fóssil, ele escreve : “as espécies parecem aparecer abruptamente, com todas as suas características específicas, e permanecem inalteradas substancialmente enquanto duram, e daí morrem e são substituídas por outras. Certamente isso se parece muito mais com a imutabilidade de formas específicas, e um supernaturalismo de uma origem específica”

Depois, ao discutir o papel da seleção natural, ele diz “não pode explicar os primeiros passos do avanço em direção a utilidade. Um órgão deve ser já útil, antes de a seleção natural atuar para melhorá-lo”.

Após conhecer que o registro fóssil não dá suporte para a ideia de mudança gradual ou de que a seleção natural possa explicar tudo, exceto nada de novo, Leconte, no entanto, conclui :

“Estamos confiantes de que a evolução é absolutamente certa – não a evolução como uma teoria especial – Lamarckiana , Darwinismo , Spenceriana … mas a evolução como uma lei da derivação de formas anteriores. Neste sentido, não é apenas certo , é axiomática …. As origens de novos fenômenos são muitas vezes obscura , mesmo inexplicáveis, mas nunca pensamos a duvidar de que eles têm uma causa natural; portanto, a dúvida é para duvidar da validade da razão, e a constituição racional da natureza.”

Veja como um entendimento materialista da realidade, que é nada mais do que uma posição filosófica, pode comprometer uma explicação fidedigna de um fenômeno, isto é, de acordo com os dados.

Mesmo a maioria dos cientistas que duvidam da explicação neo-darwiniana da evolução estão confiantes de que a Ciência acabará por chegar a uma explicação mais plausível. Esse é o modo como a Ciência funciona , se uma teoria falha , nós olhamos para a outra ; então por que com a evolução é tão diferente ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *